quinta-feira, 18 julho

Melhor não se envolver

Texto por: Equipe VS 5 julho, 2019 Sem comentários

Vi escrito na traseira de um caminhão: “Melhor não se envolver”. Achei interessante e pensei em várias coisas sobre o relacionamento humano, especialmente sobre o conceito de desligamento afetivo com amor. 

Esse tipo de desligamento é trabalhado nos grupos Al-Anon, e talvez em outros, os quais oferecem ajuda para pessoas que têm familiares ou amigos alcoólicos e que precisam de ajuda para lidar com a situação. 

Podemos aplicar os conceitos do desligamento afetivo para diversas situações da vida. Por exemplo, há pessoas ranzinzas, sempre dispostas a discutir; implicam com o vizinho por qualquer coisa. Na verdade, tais pessoas não conseguem viver em paz consigo mesmas e, por isso, vivem reclamando. 

Como conviver com uma pessoa assim e ter serenidade? Aplicando o conceito de desligamento afetivo com amor. 

A primeira coisa a ser feita é dar dois passos para trás e olhar a situação como um espectador. Se você entrar na discussão, perderá a serenidade e manterá o jogo neurótico da pessoa briguenta. 

Dar dois passos para trás significa:

  • Aceitar certa solidão, porque você terá que conviver consigo mesmo em consciência da situação;
  • Olhar a outra pessoa como alguém com problemas nesta área comportamental;
  • Evitar cair nas armadilhas da manutenção do nervosismo dela. 

Treine pensar e dizer para si mesmo: “Se esta pessoa precisa discutir e reclamar cada dia sobre coisas variadas, não vou me envolver. Não vou deixar que ela tire minha serenidade! Vou apenas ouvir com atenção, ficar mais calado do que confrontar e tentar ter empatia.

Desligamento afetivo na prática

Quando a pessoa briguenta começar seu bombardeio, experimente dizer apenas: “Nossa! É mesmo?”, etc. Caso ela insista, diga com calma que precisa fazer outra coisa naquele momento, peça licença e deixe a conversa para depois. Retire-se de modo simpático, com um sorriso moderado.

Pronto! Você praticou desligamento afetivo com amor. Você ouviu a pessoa, ficou ali um tempo com ela, mas como percebeu que ela estava repetindo o “vício” que tem de ser polêmica, você decidiu sabiamente sair daquela situação na qual não tem que permanecer, seja quem for a pessoa com quem estiver lidando.

Desligar-se com amor significa ter o cuidado com o outro de tal modo que você permite que ele aprenda com os próprios erros. Significa também aprender a cuidar de você mesmo, a tomar decisões abandonando o desejo de controlar e querer mudar os outros. Não temos poder para mudar qualquer pessoa. Simplesmente não podemos impedir as pessoas de fazer as coisas que elas decidiram fazer.

Talvez a essência do desligamento afetivo com amor seja responder algo bem pensado e não reagir com nervosismo, ou impulsivamente. Desligar-se emocionalmente de alguém que tem um comportamento que está machucando você pode ser aplicado a qualquer situação no relacionamento humano. O mais importante é parar de ser responsável pela pessoa.

Desligamento não significa deixar de amar, significa que não posso fazer pelo outro aquilo que ele precisa fazer. Não é cortar a comunicação, é a admissão de que não posso controlar outra pessoa. Não é facilitação, mas deixar que haja aprendizado com as consequências naturais. É admitir impotências, o que significa que a solução não está nas minhas mãos. Não é tentar mudar ou culpar o outro, é fazer o melhor para mim mesmo. Não é ficar no meio controlando os resultados, mas deixar que os outros influam nos seus próprios destinos. 

Amar também envolve cortar abusos, colocar limites para atitudes neuróticas de familiares ou de outras pessoas, não entrar no jogo doentio de quem não quer se tratar, mas vive adiando fazer o que ajudaria a melhorar. 

Então, é melhor não se envolver, e viver a vida que Deus quer que você viva, a qual, com certeza, não é uma vida ruim, entendendo que você não criou esse lado doentio da pessoa, não pode controlá-lo e não pode curá-lo. Viva e deixe viver!

Cesar Vasconcellos de Souza é Psiquiatra e apresentador do programa ClaraMente

www.doutorcesar.com.br | www.novotempo.com/claramente

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *