As duas faces das estatinas

Um dos medicamentos mais prescritos no mundo, as estatinas são indicadas para redução de riscos de ataques cardíacos, pois ajudam a combater o colesterol do sangue. Contudo, este medicamento é também considerado pela comunidade científica, sob vários aspectos, uma faca de dois gumes.

Miroslav Balaz e seus colegas do Instituto Federal de Tecnologia (ETH) de Zurique (Suíça) perceberam que as estatinas afetam a gordura marrom (boa) – um tecido adiposo que transforma açúcar e gordura em calor.

Só para se ter ideia, este tipo de gordura é mais comum em bebês, mas alguns adultos também têm esse tecido adiposo marrom, o qual ajuda a regular a temperatura do corpo no inverno, além de diminuir a possibilidade de excesso peso ou diabetes.

Os pesquisadores suíços descobriram uma conexão infeliz entre gordura marrom (boa) e estatinas. As estatinas reduzem o tecido adiposo marrom, ou gordura boa e ainda em doses elevadas, o medicamento aumento o risco de a pessoa desenvolver diabetes. “É possível que esses dois efeitos – a redução do tecido adiposo marrom e o risco ligeiramente aumentado de diabetes – estejam relacionados,” disse o professor Christian Wolfrum.

Contudo, mais pesquisas ainda devem ser feitas para que estes dados sejam conclusivos.

Fonte: Diário da saúde e Revista Cell Metabolism 

Deixe uma resposta