Diga mais

Ultimamente, tenho pensado mais no poder das minhas palavras. Não só nas palavras literalmente, mas no tom que uso, na velocidade com que falo, e até nas coisas que falo para mim mesma em pensamento.

Dia desses busquei meu filho no colégio e, em vez do típico silêncio do adolescente faminto que sempre encontro, lá estava o garoto eufórico e radiante. O motivo era que a professora de Língua Portuguesa usou o tempo vago depois de uma atividade para falar a ele como admirava seu jeito de ser, sua maneira de tratar as pessoas e que via nele um coração muito bom. De repente, Português passou a ser a matéria favorita do menino!

Podemos mover mundos e fundos com nossas palavras. Com elas alimentamos emoções maravilhosas ou as matamos de fome pela ausência de palavras certas. Sim, muito além do clichê, palavras têm poder!

Diferentes estudos científicos na área do comportamento humano demonstram que nossas palavras podem mudar até mesmo padrões cerebrais. Segundo os pesquisadores Andrew Newberg e Mark Waldman, autores do livro Words can Change your Brain (Palavras Podem Mudar seu Cérebro), a coisa funciona mais ou menos assim: quando usamos palavras carregadas de positividade como “feliz”, “amor”, “paz”, podemos alterar a forma de funcionamento do nosso cérebro. Também foi observado que o uso de palavras como “sim” faz seu cérebro liberar dopamina – o hormônio que produz sensação de bem-estar e regula mecanismos de recompensa. O raciocínio cognitivo aumenta e o lobo frontal é fortalecido.

Se é verdade que uma conversa positiva traz sensações boas e gera motivações antes adormecidas, o contrário também acontece. Palavras negativas, críticas e agressões verbais – mesmo aquelas sutis que ficam nas entrelinhas ­– tendem a colocar em “modo de espera” até nossas mais urgentes prioridades: ficamos deprimidos. Segundo Waldman e Newberg, isso acontece porque “palavras de raiva enviam mensagens de alarme através do cérebro, e parcialmente encerram os centros de lógica e raciocínio localizados nos lobos frontais”. Esse negativismo em palavras ativa ainda a produção do hormônio cortisol – aquele do estresse, que nos deixa em estado de alerta e enfraquece nossas habilidades cognitivas.

Hal Elrod, em seu célebre livro O Milagre da Manhã, também sugere que gastar tempo logo nos primeiros minutos do dia mentalizando palavras positivas sobre coisas que precisamos melhorar efetiva toda a mudança desejada e contribui para o desenvolvimento pessoal de forma extraordinária.

E já que o assunto é palavra, é imprescindível lembrar o que a Bíblia diz: que Jesus é a própria Palavra (verbo) (João 1:1). Por meio da palavra Dele o mundo foi criado (plantas, animais, você e eu à semelhança Dele – tudo por alguns “e disse Deus”) (Gênesis 1). Sua palavra acalmou mares e ventos tempestuosos (Marcos 4:39). Por Sua palavra alguns alcançaram cura plena, a vida voltou a existir e o perdão foi dado também, muitas vezes, por Sua palavra (Marcos 10:46-52, João 11, João 8, Lucas 7:11-13).

Hoje, mais do que nunca, é dia de boas palavras em sua vida. Não importa muito o que foi dito ontem, mas as palavras que farão você diferente daqui para a frente. Fale, escreva, cante sobre esperança, vitória, coragem, perdão, e tudo aquilo que você ama. Aproveite e olhe ao seu lado. Quem vai ser agraciado com o poder das suas palavras hoje?

Teru Gouveia é apresentadora do programa Vida e Saúde, da TV Novo Tempo

Deixe uma resposta