Santo remédio

É sabido que pessoas religiosas são muito menos ansiosas. E é fácil compreender por que esse efeito da fé também é bom para o corpo. A ansiedade é um sentimento que, depois de processado pelo cérebro, provoca descargas de adrenalina no organismo. Esse hormônio acelera os batimentos cardíacos e eleva a pressão arterial. A exposição crônica a esse hormônio contribui para o surgimento ou agravamento de doenças cardiovasculares e gastrointestinais. Além disso, a ansiedade enfraquece as defesas do organismo. É quando o burnout “incendeia” tudo.

O Dr. Herbert Benson promoveu uma nova compreensão da fisiologia envolvida nessa fé capaz de curar. Ele observou que de 60% a 90% das consultas médicas envolvem doenças relacionadas com o estresse – incluindo hipertensão, infertilidade, insônia e problemas cardiovasculares. O Dr. Benson, porém, demonstrou que o estado de relaxamento provocado pela oração e meditação reduz o impacto dos hormônios do estresse, tais como a noradrenalina e a adrenalina. Portanto, acreditar em algo mais do que a vida terrestre ajuda a ser feliz e, consequentemente, encarar problemas, inclusive doenças, com otimismo.

A verdadeira religião, que brota do coração e se submete à vontade de Deus, provê a serenidade e o equilíbrio necessários a uma vida de paz e alegria. Como bem disse uma cantora cristã: “Antes de conhecer a Cristo, eu levava uma vida triste, com poucos momentos de alegria; hoje vivo uma vida feliz, com poucos momentos de tristeza.” A religião amplia os horizontes e dá a certeza de que não precisamos enfrentar sozinhos as lutas.
Dom Cláudio Hummes disse que “a modernidade fracassou na medida em que excluiu a transcendência divina e quis endeusar o homem, a quem, na verdade, tirou todo horizonte para se superar e sair da prisão egocêntrica. A fé cristã, ao invés, aponta uma esperança real”. E a esperança nascida da fé continua e continuará sendo um santo remédio.

Benefícios da religião
1. Certeza de não viver sozinhos e poder contar com o poder infinito de Deus.
2. Senso de pertencer a uma família/comunidade.
3. Libertação do sentimento estressante de culpa, por meio da confissão e do perdão.
4. Consciência da origem e do destino humanos, bem como de nosso lugar no Universo.
5. Serenidade, equilíbrio moral e felicidade.
6. Reforço da autoestima por saber que fomos criados por Deus e à Sua imagem.
7. A adoração e o serviço pelos outros nos levam para além de nós mesmos e nos dão senso de utilidade.

Pílulas antiestresse
Aqueles que leem a Bíblia percebem que ela está repleta de “doses de esperança”. Há textos que são verdadeiras “pílulas antiestresse”:
“Teme ao Senhor e aparta-te do mal; será isto saúde para o teu corpo e refrigério para os teus ossos” (Provérbios 3:7, 8).
“A paz de espírito dá saúde ao corpo” (Provérbios 14:30, BLH).
“O coração alegre é bom remédio, mas o espírito abatido faz secar os ossos” (Provérbios 17:22).
“Deixo-vos a paz, a Minha paz vos dou; não vo-la dou como o mundo a dá. Não se turbe o vosso coração, nem se atemorize” (João 14:27).
“Não andeis, pois, inquietos, dizendo: Que comeremos ou que beberemos ou com que nos vestiremos? […] Buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas essas coisas vos serão acrescentadas” (Mateus 6:31, 33);
“O Senhor é o meu Pastor; nada me faltará. Deitar-me faz em verdes pastos, guia-me mansamente a águas tranquilas. Refrigera a minha alma. […] Ainda que eu andasse pelo vale da sombra da morte, não temeria mal algum, porque Tu estás comigo” (Salmo 23:1, 2, 4).

Michelson Borges é editor da revista Vida e Saúde

Deixe uma resposta