terça-feira, 27 julho

Entre os chamados remédios naturais, o sono é dos mais importantes. Davi Boechat

O sacrifício de noites de descanso é visto como pré-requisito para obtenção do sucesso em cursos preparatórios, espaços educacionais destinados aos que desejam conquistar cobiçadas vagas em universidades e empresas públicas. Nesses centros de treinamento, a realização do sonho implica abrir mão do sono. Em aulas e palestras motivacionais, a importância do descanso é frequentemente negligenciada; isso quando o sono não é considerado um artigo de luxo a ser deixado de lado pela satisfação de ver o nome em uma lista de aprovados. Um reflexo desse pensamento aparece na conhecida frase “treine enquanto eles dormem, estude enquanto eles se divertem, persista enquanto eles descansam e, então, viva o que eles sonham”,¹ que é atribuída aos ditos milenares japoneses.

Essa visão tão comum entre os que buscam desenvolvimento pessoal é considerada equivocada e perigosa pelos que estudam a saúde mental. Para surpresa de laboriosos concurseiros, os especialistas garantem que o descanso adequado não é sinônimo de inanição. Diferente disso, boas horas de repouso são fundamentais no preparo intelectual. Em outras palavras, dormir pode deixar você mais inteligente.

O neurocientista norte-americano Matthew Walker, de 47 anos, que se dedica a estudos sobre o sono há duas décadas, afirma que, “no cérebro, o sono potencializa uma diversidade de funções, incluindo nossa capacidade de aprender, memorizar, tomar decisões e fazer escolhas lógicas. Ao benevolentemente reparar nossa saúde psicológica, o sono calibra nossos circuitos cerebrais emocionais, permitindo-nos enfrentar os desafios sociais e psicológicos do dia seguinte com sereno autocontrole”.² Sendo assim, sono às vésperas de uma prova é tão decisivo quanto o experimentado durante a preparação.

No best-seller internacional Por que Nós Dormimos: Nova ciência do sono e do sonho (Intrinseca, 2017), Walker apresenta consequências práticas reais da privação de sono, que são muito diferentes das alardeadas pelos que buscam acrescentar algum tempo às suas horas úteis: “Infelizmente, os seres humanos são a única espécie que se priva deliberadamente de sono sem obter um ganho legítimo. Todos os componentes da saúde física, mental e emocional e incontáveis costuras do tecido social estão sendo erodidos pelo nosso oneroso estado de negligência do sono: tanto humano quanto financeiro. A Organização Mundial da Saúde (OMS) inclusive já declarou que há uma epidemia de privação de sono em todos os países industrializados.”³ Entrar em campo exausto para um terceiro tempo é tornar-se o próprio adversário.

Enquanto você dorme, seu corpo trabalha

Se o bom sono traz colaborações fundamentais para o bom funcionamento do corpo, em contrapartida, são diversas as consequências negativas de não usufruir dele. Esse mau hábito, diz Walker, “abala o sistema imunológico, mais do que duplicando o ris-co de câncer. Sono insuficiente é um fator de estilo de vida decisivo para determinar se o indivíduo desenvolverá doença de Alzheimer. Sono inadequado – até as reduções moderadas por apenas uma semana – altera os níveis de açúcar no sangue de forma tão significativa que pode fazer com que a pessoa seja classificada como pré-diabética. Ele também aumenta a probabilidade de as artérias coronárias ficarem bloqueadas e quebradiças, abrindo, assim, o caminho para doenças cardiovasculares, derrame cerebral e insuficiência cardíaca congestiva”. Além disso, “a perturbação do

sono também contribui para todas as principais enfermidades psiquiátricas, incluindo depressão, ansiedade e tendência ao suicídio”, afirma.

Evidências dos impactos da má qualidade do sono são encontradas em profissionais levados à exaustão pelo ofício. Entre eles estão os funcionários de linhas aéreas internacionais. Submetidos a viagens longas, eles enfrentam repetidamente o fenômeno jet-lag, alteração no relógio biológico comum que afeta a quem precisa se adaptar a um novo fuso horário. Como resultado disso,

 esse público enfrenta consequências da constante baixa qualidade do sono. Pesquisadores encontraram dois problemas principais comuns aos que vivem nesse ritmo de vida atípico: “O primeiro foi o de que partes do cérebro – especificamente as relacionadas com o aprendizado e a memória – tinham encolhi-do fisicamente, sugerindo a destruição de células cerebrais causada pelo estresse biológico da viagem através dos fusos horários. O segundo foi o de que sua memória de curto prazo estava prejudicada de forma significativa: eles se mostraram consideravelmente mais esquecidos do que indivíduos de idade e antecedentes semelhantes que não viajavam com frequência através de fusos horários”,5 diz Walker. Os problemas identificados nesse mesmo público foram além das enfermidades da mente. “Outros estudos envolvendo pilotos, membros de tripulação e pessoas que trabalham em turnos apontaram outras consequências inquietantes, incluindo índices muito mais altos de câncer e diabetes tipo 2 do que os registrados na população geral – ou até entre indivíduos semelhantes cuidadosamente controlados que não viajam tanto.”

Melatonina e adenosina: hormônios da noite

Parte dos problemas comuns ao sono podem ser resolvidos com mudanças de hábitos, uma vez que eles têm a capacidade de favorecer, bem como de atrapalhar o funcionamento da mente. O neurocientista Sidarta Ribeiro, vice-diretor do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, entende que a reeducação com “soluções simples e comprovadamente eficazes” é o caminho para a mudança do atual cenário. Para ele, afastar da rotina hábitos ruins reflete significativamente na qualidade do sono.

Entre os vilões, Ribeiro destaca o uso de aparelhos eletrônicos durante a noite. Estudos recentes confirmam que a luz azul irradiada das telas colabora para um estado de atenção, inibe o principal hormônio do sono e, consequentemente, atrapalha o relaxamento. Por isso, a redução de tons de azul “na iluminação noturna e nas telas eletrônicas em geral deveria provocar uma melhora geral da qualidade do sono, pois comprimentos de onda nessa região do espectro cromático são os que mais inibem a produção noturna de melatonina, que, por sua vez, influencia fortemente o

horário de início do sono. Pela mesma razão, mais luz azul de manhã deveria acelerar a supressão de melatonina residual, facilitando a vigília”.

O correto funcionamento da melatonina, por meio do ajuste de luzes, regula o momento em que o sono deve ocorrer. Em uma explicação prática, Walker encontra nas corridas esportivas uma analogia para exemplificar o papel desse homônimo: “Pense no sono como a corrida dos cem metros nos Jogos Olímpicos. A melatonina é a voz do responsável pela cronometragem que diz: ‘Corredores, em suas marcas’, e então faz o disparo de partida. Esse funcionário da cronometragem (melatonina) determina quando a corrida (sono) começa.” O resultado de maior atenção às telas e cores é a garantia de um início de sono menos traumático.

Outro grande inimigo do sono é a cafeína. Pre-sente não só no café, mas em chás, energéticos e diversos alimentos e medicamentos, a cafeína “é um dos culpados mais comuns por impedir que as pessoas adormeçam com facilidade e depois durmam profundamente”, afirma Walker. Assim como as telas conflitam a melatonina, a cafeína funciona como uma represa para a adenosina, outro hormônio importante para o sono. “Pense na adenosina como um barômetro químico que registra continuamente o tempo transcorrido desde que você acordou de manhã. Uma consequência do aumento do nível de adenosina no cérebro é o crescente desejo de dormir.”10 Entrando em cena, entretanto, a cafeína derrota a adenosina, negando artificialmente o desejo de dormir. “É o equivalente a enfiar o dedo no ouvido para deixar de ouvir um som. Ao sequestrar e ocupar esses receptores, a cafeína bloqueia o sinal de sonolência normalmente transmitido ao cérebro pela adenosina. Resultado: ela engana você, fazendo com que se sinta alerta e desperto, apesar dos elevados níveis de adenosina que de outro modo o teriam induzido a dormir”, explica Walker.

Mente agitada

As críticas do neurocientista ao consumo de cafeína são contundentes. Descartando possíveis benefícios, ele a equipara aos intorpecentes: “Ela não é um suplemento alimentar; pelo contrário, é o estimulante psicoativo mais consumido (e abusado) no mundo. É o segundo produto mais comercializado no planeta, perdendo apenas para o petróleo. O consumo de cafeína representa um dos mais longos e maiores estudos não supervisionados sobre o uso de drogas pela raça humana já conduzidos – e que talvez só tenha o álcool como rival – e perdura até hoje”, comenta.

As opiniões de Matthew Walker, amparadas por pesquisas e recentes descobertas científicas, coadunam com declarações de Ellen G. White (1827-1915) publicadas no século 19. Líder religiosa influente nos Estados Unidos, White foi uma das fundadoras da Igreja Adventista do Sétimo Dia, denominação que integrou a vida saudável como parte de sua doutrina. O consumo de água, ar puro, ali

mentação saudável, exercício físico, repouso, temperança, luz solar e confiança em Deus eram ênfases constantes em seus escritos na área da saúde.

Algumas delas estão organizadas no livro A Ciência do Bom Viver, disponibilizado pela Casa Publicadora Brasileira (cpb.com.br). Nessa obra, ela comenta sobre o café: “O chá [alguns tipos] atua como estimulante, e, até certo grau, produz intoxicação. A ação do café, e de muitas outras bebidas populares, é idêntica. O primeiro efeito é estimulante. São agitados os nervos do estômago, que comunicam irritação ao cérebro, o qual, por sua vez, desperta para transmitir aumento de atividade ao coração, e uma fugaz energia a todo o organismo. Esquece-se a fadiga; parece aumentar a força. Estimula o intelecto, torna-se mais viva a imaginação. Em virtude desses resultados, muitos julgam que seu chá ou café lhes faz grande

benefício. Mas é um engano. Chá e café não nutrem o organismo. Seu efeito produz-se antes de haver tempo para ser digerido ou assimilado, e o que parece força não passa de excitação nervosa. Uma vez dissipada a influência do estimulante, abate-se a força não natural, sendo o resultado um grau correspondente de abatimento e fraqueza.”

Influência direta das palavras de White é a revista que você tem em mãos neste momento. A Vida e Saúde, publicação disponível ininterruptamente ao público brasileiro há mais de oito décadas, sempre esteve e está preocupada em promover a vida saudável por meio do que a criação tem a oferecer, como o descanso restaurador.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *