quarta-feira, 29 maio

Amor em silêncio

Texto por: admin 13 janeiro, 2017 Sem comentários

Precisamos expressar afeto pelas pessoas enquanto há tempo

Assim como na história de Romeu e Julieta, eles se amavam, queriam construir uma vida juntos, mas suas famílias eram contra. Enfrentando tudo pelo sentimento que os unia, os jovens Abdullah e Kubra decidiram fugir para alguma outra cidade de seu país, a Turquia. Casaram-se em 1945, viveram felizes por 37 anos e decidiram adotar um sobrinho, pois não tinham filhos. Naquele ano, porém, tiveram uma forte discussão, depois da qual deixaram de conversar um com o outro por longos 27 anos.

O Romeu dessa história passou a viver num quarto do porão da casa. Apesar de os dois se encontrarem várias vezes por dia, nem se cumprimentavam. Familiares, então a favor do casamento, procuraram uni-los com planos os mais criativos, mas em vão. A teimosia de ambos parecia maior, apesar de todos perceberem que ainda havia um forte sentimento entre eles. Continuaram brigados até que a morte chegou em 2009. Kubra faleceu aos 82 anos, sem dizer adeus. Duas horas depois, Abdullah teve o mesmo destino quando recebeu a notícia. Tragédia moderna.

Após o duplo funeral, o filho adotivo disse à imprensa que os pais se gostavam, porém não queriam dar o braço a torcer, pedir desculpas e revelar o sentimento que mantinham por baixo da casca de insensibilidade.

Essa história é um caso extremo de uma realidade comum. Grandes relações de amor e de amizade se rompem por causa de discussões banais. Em vez de fazermos algo para restaurar as coisas, resistimos ao amor e teimamos em esperar que o outro dê o primeiro passo. Preferimos abrigar sentimentos de amargura que só nos prejudicam e afloram em doenças físicas e psicológicas. Apesar de guardarmos lembranças de um bom relacionamento familiar ou de amizade, silenciamos bons sentimentos com a mordaça do orgulho.

Uma vez que se resista à reconciliação, com o passar do tempo, ela se torna cada vez mais difícil de se alcançar, e a mágoa perdura por anos, ou até a morte. Por isso, devemos praticar o sábio conselho do apóstolo Paulo: “Não se ponha o Sol sobre a vossa ira” (Efésios 4:26). Em outras palavras, se tivermos um problema com alguém, precisamos resolvê-lo antes que o Sol se ponha. Seja para pedir desculpas, ou perdoar, devemos fazê-lo o quanto antes. O amor não pode se calar.

O silêncio do amor também afeta as relações diárias de forma muito sutil – a negligência pelas pessoas amadas. Temos ao redor pessoas muito importantes, mas elas nunca saberão disso se não o declararmos.

Filhos, pais, cônjuge, irmãos, amigos, colegas especiais de trabalho ou de estudos dividem conosco bons e maus momentos. Conhecem nosso temperamento, aplaudem nossas vitórias, reprovam nossos erros, mas nos amam mesmo assim. Essas pessoas merecem elogios sinceros, cartões, flores, bombons, palavras de gratidão, abraços, passeios, depoimentos na página da internet, presentes, enfim, pequenos gestos que demonstrem o quanto são valiosas. Talvez seja isso o que elas mais estejam precisando. Não podemos esperar para homenageá-las com uma coroa de flores a qual não poderão cheirar ou agradecer. Devemos expressar nosso amor enquanto há tempo, pois amor silencioso é amor que não pode ser sentido.

Diogo Cavalcanti é jornalista

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *