quarta-feira, 29 maio

Novas tecnologias na luta contra o melasma

Texto por: Equipe VS 20 março, 2019 Sem comentários

O melasma é caracterizado pela pigmentação marrom ou acastanhada, principalmente na região do rosto. Em pesquisa publicada pelo Journal of Dermatological Treatment, estudiosos identificaram que pacientes com melasma sentiam emoções negativas sobre a própria condição. Alguns responderam que se sentiam desfigurados. Outros afirmaram que, durante um diálogo, sentiam os olhos do interlocutor focados nas manchas, causando desconforto.

O melasma não tem cura definitiva, mas o paciente tem cada vez mais alternativas para amenizar e controlar o problema. Felizmente, novos tratamentos são esperança para tratar manchas e devolver a aparência natural da pele. “Já existem tratamentos que auxiliam no combate ao melasma. E, graças aos estudos e às novas tecnologias, temos esperança de reduzir os impactos do melasma de forma considerável em pessoas com qualquer tipo de pele”, comenta o dermatologista Bruno Vargas da clínica Bruno Vargas.

De acordo com o dermatologista, foi lançado recentemente no mercado um laser muito rápido que, com a velocidade em picossegundos, provoca a microfragmentação da melanina. “O grande diferencial da tecnologia é a ausência de calor gerado na pele, ou seja, o equipamento trabalha utilizando o efeito mecânico e não o efeito térmico, como acontece com outros lasers”, explica.

O ácido tranexâmico também pode ser uma das indicações. Na forma intradérmica, ele é aplicado através de uma agulha fina na mancha, na camada intermediária da pele, e bloqueia os estímulos que fazem com que o melanócito produza mais pigmento. Dessa forma, a pele fica protegida e novas manchas são impedidas de aparecer ou, ainda, as que já existem de escurecerem. Quando associado ao tratamento oral e tópico, os efeitos são melhores.

Para todos os tratamentos é fundamental a avaliação de um dermatologista. Somente ele poderá indicar a melhor opção. Também é importante se atentar aos cuidados básicos, como uso constante de filtro solar, além de chapéus ou bonés durante a exposição à luz solar.

Autora: Raíssa Pedrosa

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *