quarta-feira, 29 maio

Serotonina e resiliência

Texto por: admin 29 novembro, 2018 Sem comentários

A serotonina, neurotransmissor que desempenha papel em muitas partes do organismo, ganhou mais popularidade nos últimos anos devido à sua relação com a depressão, distúrbio de humor e insônia, por exemplo. Na base de medicamentos antidepressivos, a serotonina sempre esteve relacionada à ideia de que seria uma substância capaz de ajudar as pessoas a ser mais pacientes, auxiliando na capacidade de aguardar recompensas. Contudo, pesquisas recentes, do Centro Champalimaud, em Portugal, apresentam uma nova faceta da serotonina: o aumento dos seus níveis aumenta também a persistência, tanto dos seres humanos, como dos outros animais.

A distinção entre paciência e persistência ainda não havia sido verificada em estudos anteriores. A diferença mais evidente entre uma característica e outra demonstra que enquanto a paciência é uma condição de espera, a persistência é uma condição de ação, ainda que desagradável, até que algo seja finalizado. “A diferença entre a paciência e a persistência pode parecer sutil, mas a implicação deste resultado não o é: pode ser a diferença entre ficar na cama, enquanto lá fora a vida continua, ou saltar da cama todos os dias para abraçar a vida”, concluiu Zachary Mainen, professor que liderou o estudo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *