terça-feira, 21 maio

Sonho e esquizofrenia

Texto por: admin 18 dezembro, 2018 Sem comentários

Pacientes esquizofrênicos podem apresentar psicose: perda de contato com a realidade, delírios, alucinações e fala incoerente, entre outros sintomas. O diagnóstico desses pacientes, contudo, pode levar seis meses para ser fechado e pode ser revisto diversas vezes ao longo de sua vida.

“O que se mede hoje para diagnosticar esquizofrenia são as respostas dos pacientes em um questionário. Apesar de importante, esse método é altamente subjetivo. Por isso, os pacientes com esquizofrenia são tratados de diversas maneiras, por múltiplos métodos e, geralmente, com combinações de remédios”, explica Sidarta Ribeiro, neurocientista e diretor do Instituto do Cérebro da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Nos últimos 10 anos, o pesquisador, em colaboração com colegas de seu laboratório e de outras instituições no Brasil e no exterior, tem realizado uma série de estudos com o objetivo de analisar matematicamente o discurso de pacientes com esquizofrenia e tentar correlacioná-lo com os sintomas que apresentam.

Classificado por Sigmund Freud (1856-1939) no livro A intepretação dos sonhos, de 1899, como “a estrada real para o inconsciente”, o sonho, que é a chave para a psicanálise, também tem se revelado útil na psiquiatria, no diagnóstico clínico de esquizofrenia. “Temos visto que, de fato, o relato do sonho é um conteúdo particularmente muito útil na clínica psiquiátrica”, diz Ribeiro.

“O relato dos sonhos dos esquizofrênicos é extremamente lacônico. Isso pode ser uma forma de mapear a mente desses pacientes com palavras. O sonho classifica melhor os pacientes esquizofrênicos e oferece maior capacidade de predizer o diagnóstico por esquizofrenia”, afirma Ribeiro.

Fonte: Elton Alisson, de Maceió (AL)  | Agência FAPESP

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *